Somos todos um só – Por Miriã de Lima Teixeira Olávio

Leia na íntegra a redação vencedora do I Concurso de Redação Ubuntu
4 de dezembro de 2017

I Concurso de Redação Ubuntu
Prêmio Zumbi dos Palmares 2017 / Programa 13 de Maio / #NovembroPreto

Racismo é uma forma de outras pessoas se sentirem superiores à outra só por uma diferença de raça ou etnia. No Brasil o racismo teve início na era colonial, ou seja, na época da escravatura. Desde essa época pessoas por serem negras ou por terem uma pele mais escura que as demais já eram vistas com indiferença para muitos.

Podemos citar vários exemplos como afirmação, a saber: o recente caso da atriz Thaís Araújo. Quando uma pessoa negra anda pelas ruas, ela não se sente segura, independente de sua condição social principalmente se for homens. Vários são os depoimentos de homens que foram confundidos com “bandidos” pela polícia. Se você colocar uma criança negra para brincar com outra branca, elas vão interagir normalmente uma com a outra. Somos todos seres humanos que choram, sofrem, riem, brincam e que nos expressamos como um só.

Se formos analisar, os negros tem a taxa de mortalidade bem maior que a taxa de pessoas brancas, a taxa de analfabetismo é duas vezes maior. Os negros tem menores salários, menores chances de emprego e assim continua esse ciclo de pobreza, onde pessoas pobres continuam sendo pobres.

Falar sobre racismo é como um grito por socorro, por liberdade. Acredito que a voz dos jovens deve ecoar na sociedade atual. Precisamos ser ouvidos, porque todos somos um, mas infelizmente nem todos pensam assim e são dessas mentes “infelizes”que nascem manifestações de intolerância.

Mas como ser ouvido então? Fazendo como fez a atriz Thaís Araújo, fazendo um concurso de redação como este, que trás a reflexão à tona. Para saber se você é superior ou inferior a alguém, faça uma amostra de sangue e veja se nele tem alguma coisa dizendo se você é melhor que alguém. E sabe porque não vemos diferença alguma? Porque sim, somos todos um.

Texto por: Miriã de Lima Teixeira Olávio

Leia também:

Inspirado em nomes como Nelson Mandela, Zumbi dos Palmares, Malcom X, Antônio Conselheiro, Kamehamehá (ex-presidente do Havaí), o lendário Besouro Mangagá, Leandro e Evandro Roque da Laboratório Fantasma.
foram entregues várias cestas básicas para famílias de Ceres e Rialma.

Leia também:

Logotipo do Instituto Ubuntu
Sobreposição das Vulnerabilidades durante Pandemia do COVID-19
Logotipo do Instituto Ubuntu
Escritora e autora de diversos livros sobre crianças Indigo, Crianças Cristal e a evolução humana.
Referência nacional no assunto. Conta com várias frentes de atuação como cursos, eventos e outras ações sociais.